Entenda como a conservação rodoviária pode interferir na logística de um produto

Logística

Compartilhe esse conteúdo

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Você sabe como a falta de uma placa de sinalização em uma rodovia pode interferir na chegada daquele produto que você comprou online

A logística é a área que gerencia a distribuição de cargas, sendo formada por etapas, onde a última é a mais importante: o transporte. No Brasil, este é feito em sua maioria através do modal rodoviário, cuja infraestrutura não se encontra nas melhores condições atualmente, causando impactos econômicos negativos. Além disso, com o avanço da tecnologia e das vendas online, a demanda por logística só tende a crescer, impulsionada, ainda, pelo aumento do e-commerce acarretado pelo atual cenário pandêmico. Qual seria, então, a importância da conservação deste modal nesse cenário?

REDE LOGÍSTICA

Para entender a situação, é necessário ter conhecimento do que é uma rede logística: visando a otimização de todas as operações, ela administra os processos de produção, controle e distribuição de um produto, garantindo que chegue ao seu destino final. A mesma pode ser dividida em 5 etapas, ilustradas na imagem abaixo.

A etapa final, além de ser o objeto de estudo deste texto, é também a etapa mais relevante dentro dela: segundo Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro – COPPEAD, o transporte representa 60% do custo logístico, e diminuir gastos nessa área pode reduzir em até 20% o custo total de uma empresa. Por mais que o Brasil possua uma vasta possibilidade de utilização de outros modais, o rodoviário é o mais utilizado: ele representa 60% do transporte de cargas no país. Ou seja, 6/10 da receita líquida das empresas passa pelas rodovias, logo, o estado de conservação no qual uma rodovia se encontra tem influência considerável no preço de um produto, capital de uma empresa e até na economia do país. 

MODAL RODOVIÁRIO BRASILEIRO

História

A história do modal rodoviário no Brasil começou em meados dos anos 30 com a construção das primeiras rodovias. O aumento da indústria automobilística acelerou esse processo em 1950, e em 1980 a construção de rodovias viveu seu ápice. Tal cenário perdurou até o ano de 1988, quando, com a extinção do imposto sobre serviços de transporte rodoviário e consequente perda de receita, os investimentos estagnaram. Hoje, são 1,720 milhões de quilômetros de estradas no Brasil – a 4ª maior malha rodoviária do mundo. Todavia, ao passo dessa alta colocação, o Brasil ainda ocupa a 116ª posição em qualidade de infraestrutura rodoviária, de acordo com o Fórum Econômico Mundial. Além disso, segundo a CNT, apenas 12,4% do número de estradas citado são pavimentadas, e dentro dessas, 50% apresentam situação precária. Apesar dos dados citados, o modal em questão ainda é o mais vantajoso e usado no país. Por quê? 

Vantagens e desvantagens

  • O transporte de cargas heterogêneas e fracionadas é mais benéfico 
  • Os custos de manutenção são consideravelmente mais baixos
  • Oferece serviço porta a porta: aeroportos, hidrovias e ferrovias levam mercadorias apenas só até determinado ponto, enquanto outros só são alcançados através das estradas, podendo transportar diretamente da origem ao destino
  • Necessita menor manuseio da carga e menos exigência de embalagem
  • Facilidade na substituição de veículos
  • Ideal para curtas e médias distâncias 
  • Confiabilidade pela maior possibilidade de cumprimento dos prazos de entrega

É claro que, assim como os modais complementares, este também apresenta desvantagens, como o risco de acidentes, assaltos, ineficácia para longas distâncias e a menor capacidade de carga. A precariedade da infraestrutura rodoviária também afeta negativamente o modal, mas não é tão complexo encontrar soluções para o problema. 

Conservação rodoviária

A conservação da infraestrutura rodoviária engloba serviços regulares que precisam ser executados constantemente a fim de garantir a boa trafegabilidade, como a retirada da vegetação presente nos bordos das pistas, a fiscalização da sinalização e a limpeza dos dispositivos de drenagem. Porém, segundo a CNT, 52.4% das rodovias pavimentadas manifestam problema nessa estrutura, 48,1% apresentam ausência de sinalização e 76,3% têm deficiência de geometria. E qual o reflexo disso? Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), as más condições acarretam um aumento de até 58% no consumo de combustíveis, acréscimo de 40% no custo operacional de veículos (majoritariamente caminhões), aumento de 50% no índice de acidentes e possível aumento de 100% no tempo de viagem. Fora isso, existem também reflexos não tão técnicos, como as alterações psicológicas nos motoristas, causadas pelas más condições de tráfego, aliadas à pressão do prazo de entrega e ao risco de vida.

No Brasil, existem duas vertentes que são incumbidas da conservação rodoviária: o estado, utilizando-se dos impostos geralmente com uma verba pré-estabelecida, e as concessionárias, que recebem receita de pedágios para realizar os serviços que lhes foram atribuídos. De acordo com a CNT, 74,7% das rodovias concedidas apresenta estado ótimo ou bom; esse valor cai para 32,5% quando analisadas as sob administração da União. Dessa forma, percebe-se que as concessionárias mostram-se mais eficazes que o governo atualmente. Entretanto, o país ainda está longe de alcançar uma satisfação neste cenário, mesmo nos trechos concessionados. Por isso, é preciso pensar em novos planejamentos, metas e mecanismos que podem ser utilizados a fim de fortalecer esse modal. Essa potencialização, atrelada a um bom funcionamento, pode trazer um cenário otimista e positivo à economia do país, e ainda, pode sanar gastos futuros com reconstruções – que acabam sendo mais caras que a manutenção rotineira.

E-commerce

Ainda sabe-se que com a constante evolução do marketing digital e uso da internet, o e-commerce já viera aumentando junto da demanda por logística. Com a atual pandemia, esse campo só cresceu: segundo dados da Istoé, o Brasil registrou um aumento de 400% das lojas que abriram negócio eletrônico nesse período. Essa área apresenta-se como solução para muitas empresas no momento, e a tendência é que ela seja adotada cada vez mais. Hoje, dentro da crise econômica no país, investimentos nesse setor são considerados importantíssimos a fim de minimizá-la. Contudo, mesmo após este cenário, quem preferir não aderí-lo certamente terá seu negócio com dias contados. Assim, nossas rodovias cada vez precisarão de mais serviços de infraestrutura, pois estarão atendendo mais frotas.

CONCLUINDO

Dentro da logística de um produto existe uma etapa de ampla importância – não só para esta, mas para a economia do país em que está inserida – que é o transporte. Cada nação tem suas peculiaridades que influenciam na abrangência de seus modais. No caso do Brasil, o modal rodoviário é o prevalente. A dependência da logística do modal rodoviário é amplamente beneficiada pelas suas vantagens, porém a má conservação das estradas afeta diretamente o atendimento da cadeia de suprimentos.

Sabe-se que, esse problema da falta de manutenção rodoviária impactando uma economia, nem sempre está diretamente ligado à falta de orçamentos da União ou das concessionárias responsáveis. Ele também ocorre pela falta de planejamento e ineficácia de quem administra, visto que a malha rodoviária é extensa, e, em sua maioria, os processos ainda são feitos de forma demorada e obsoleta.

A fim de solucioná-lo, o fundamental seria elaborar planos plausíveis de acontecer fora do papel a curto e longo prazo, estudar ferramentas para integrar com eficácia a alternativa de modais complementares que o país oferece e buscar pela implementação de soluções tecnológicas. Automações tornam as atividades mais velozes e menos manuais, permitindo que sejam feitas em maior escala, atingindo maior parte do país juntamente com a demanda de transporte e logística que virá a seguir.

Com inovação, utilizando relatórios, gráficos, info-mapas e outras facilidades, a Kartado otimiza o processo operacional e gerencial de conservação de grandes infraestruturas. Para saber mais e poder contar com essa tecnologia, acesse o site da Kartado e entre em contato conosco!

REFERÊNCIAS

BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística. Empresarial. São Paulo: Editora Bookman, 2006
https://www.logisticadescomplicada.com/como-o-modal-rodoviario-resiste-no-brasil/
https://www.ibccoaching.com.br/portal/conheca-as-principais-etapas-do-processo-logistico-de-uma-empresa-e-sua-importancia/
https://www.inteligenciaderiscos.com.br/analise-de-processos-logisticos/
http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2009_TN_STO_097_659_14532.pdf
https://blog.proteautobrasil.com.br/logistica-do-transporte-rodoviario-de-cargas-no-brasil-como-afeta-o-caminhoneiro/

Você também pode gostar de ler