ARTIGO EDU.KARTADO

ARTIGO EDU.KARTADO

Quais são as melhores ferramentas para tomadas de decisão em empresas?

Está em busca de ferramentas de apoio para tomada de decisão e ferramentas gerenciais para tomada de decisão? Enfim! A utilização de ferramentas na tomada de decisão nas empresas tornou-se essencial na era da informação. 

Em um mercado competitivo e dinâmico, basear escolhas em dados concretos tornou-se o diferencial entre o sucesso e a estagnação. 

Ferramentas modernas possibilitam, portanto, a coleta, análise e interpretação de vastas quantidades de informação de maneira ágil e precisa. 

E foi pensando nisso que a Kartado separou uma lista com ferramentas para tomada de decisão. Vamos juntos conferir?

Significado e conceito de tomada de decisão

A expressão “tomada de decisão” refere-se ao processo cognitivo de seleção de uma opção entre várias alternativas. Curiosamente, não há um único indivíduo creditado por “criar” o termo. 

A noção de tomar decisões é inerente à experiência humana e tem sido explorada em diversas culturas e civilizações ao longo da história. 

No entanto, foi no século XX que a tomada de decisão começou a ser estudada sistematicamente, especialmente em campos como economia, psicologia e gestão.

Na economia, o Prêmio Nobel Herbert A. Simon foi fundamental em trazer uma abordagem mais estruturada ao processo decisório, introduzindo conceitos como “racionalidade limitada”, que reconhece as limitações humanas ao tomar decisões.

A tomada de decisão envolve várias etapas, desde a identificação de um problema ou oportunidade, passando pela avaliação de alternativas até a seleção e implementação da melhor opção.

As vantagens de um processo de tomada de decisão bem-estruturado incluem:

  • Melhor alinhamento estratégico: Garantindo que as decisões estejam em sintonia com os objetivos globais da organização ou indivíduo.
  • Redução de erros: Ao ponderar cuidadosamente as opções, os riscos de escolhas erradas diminuem.
  • Otimização de recursos: Direcionando energia, tempo e recursos para ações mais produtivas.
  • Melhoria da comunicação e colaboração: Quando as decisões são tomadas de forma transparente e baseada em critérios claros, facilita-se a colaboração e compreensão entre as partes interessadas.

Historicamente, a tomada de decisão era muitas vezes baseada em intuição, tradição ou autoridade.

 Com o avanço da ciência, tecnologia e a crescente complexidade das relações, tornou-se necessário adotar abordagens mais sistemáticas e baseadas em dados, garantindo maior precisão nas etapas decisórias

Quais as melhores ferramentas para tomada de decisão?

Confira, abaixo, a lista que a Kartado separou com as melhores ferramentas para tomada de decisão

1. Plataforma Kartado

A Plataforma Kartado surge como uma solução inovadora no setor de infraestrutura, atendendo à crescente necessidade de centralizar e organizar dados em um único ambiente digital. 

Com uma multiplicidade de informações, de inventários a ativos e gestão de obras, gerenciar todos esses detalhes pode ser um desafio. No entanto, a plataforma Kartado foi desenvolvido precisamente para tornar essa tarefa não apenas possível, mas muito mais prática e produtiva. 

Através da plataforma Kartado, as empresas podem manter todo o gerenciamento de suas obras sob um olhar atento, desde o rastreamento de ativos até a supervisão do progresso de projetos individuais. 

O inventário, muitas vezes uma tarefa árdua e propensa a erros quando feito manualmente, torna-se simples e preciso com esta ferramenta. Da mesma forma, a gestão de recursos, fundamental para garantir que cada obra seja realizada de maneira otimizada, é facilitada pela plataforma. 

Em um setor tão vital como o de infraestrutura, onde a precisão, eficiência e gestão de recursos são essenciais, o Kartado oferece uma solução abrangente. Ao centralizar dados e proporcionar uma gestão de serviços, o app não apenas simplifica processos, mas também potencializa a eficácia operacional das empresas que o adotam.

Atualmente, atendemos:

2. Matriz de Decisão

A matriz de decisão, também conhecida como matriz Pugh ou matriz de avaliação de critérios, é uma ferramenta que auxilia no processo de tomada de decisão, especialmente quando múltiplas opções estão disponíveis e diversos critérios precisam ser considerados. Envolve listar as opções em um eixo e os critérios de avaliação no outro, atribuindo pesos ou pontuações a cada um com base em sua relevância ou desempenho.

Para empresas, essa ferramenta é extremamente útil quando há necessidade de escolher entre diferentes estratégias, produtos, fornecedores ou qualquer outra decisão que envolva vários fatores. 

Ao visualizar as opções e critérios em uma matriz, os decisores identificam rapidamente qual alternativa oferece a maior vantagem em relação aos critérios definidos.

No dia a dia empresarial, a matriz de decisão pode ser aplicada em reuniões de planejamento, sessões de brainstorming ou sempre que houver necessidade de uma análise objetiva para tomar decisões fundamentadas.

O conceito por trás da matriz de decisão não é atribuído a um único criador, mas o engenheiro britânico Stuart Pugh contribuiu significativamente para a popularização da técnica em design e engenharia. 

Mas, claro, independentemente de sua origem, a matriz de decisão provou ser uma ferramenta valiosa e versátil para aprimorar o processo de tomada de decisão nas organizações.

3. Análise SWOT (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças)

A Matriz SWOT é uma ferramenta estratégica de gestão que permite às empresas analisar seus ambientes interno e externo por meio da identificação de Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças). 

Ao categorizar estes elementos, as organizações obtêm uma visão clara de seus pontos fortes e desafios, bem como das oportunidades e ameaças presentes no mercado.

Para as empresas, a Matriz SWOT é um instrumento na tomada de decisão. Ao entenderem onde estão suas vantagens competitivas e áreas de melhoria, podem elaborar estratégias mais eficazes, aproveitando oportunidades e mitigando riscos.

No dia a dia empresarial, a SWOT pode ser empregada em planejamentos estratégicos, análises de mercado, avaliações de produto ou serviço e em qualquer cenário que requeira uma visão holística da organização e seu ambiente.

O conceito de análise SWOT foi desenvolvido na década de 1960 por Albert Humphrey, durante um projeto de pesquisa na Universidade de Stanford. O objetivo inicial era entender por que a planificação corporativa falhava. 

Desde então, a Matriz SWOT tornou-se uma das ferramentas de gestão mais amplamente utilizadas globalmente, reconhecida por sua simplicidade e eficácia na orientação estratégica.

4. Árvore de decisão

A árvore de decisão é uma ferramenta visual e analítica que representa decisões e suas possíveis consequências, incluindo resultados, custos e benefícios. É estruturada em forma de árvore, onde cada ramo representa uma escolha possível e cada folha simboliza um resultado ou categoria.

No contexto empresarial, essa ferramenta serve  para visualizar e estruturar complexos processos de decisão. Ao mapear opções e seus desdobramentos, as empresas prevêm possíveis cenários, avaliam riscos e definem estratégias mais informadas.

No dia a dia, a árvore de decisão pode ser utilizada em diversas áreas, como em marketing, para segmentar clientes; em finanças, para avaliar investimentos; e em operações, para otimizar processos. Assim sendo, auxilia gestores a desbravar cenários, ponderar alternativas e chegar a conclusões fundamentadas.

O conceito de árvore de decisão não é atribuído a um único criador. Contudo, foi popularizado nos campos da pesquisa operacional e estudos de decisão nas décadas de 1950 e 1960. 

Desde então, com a evolução da tecnologia e da ciência de dados, a árvore de decisão também encontrou aplicação em áreas como aprendizado de máquina e inteligência artificial, solidificando sua importância como uma ferramenta versátil de tomada de decisão.

5. Matriz de Priorização

A Matriz de Priorização é uma ferramenta visual que ajuda organizações e indivíduos a determinar a ordem em que devem abordar tarefas ou resolver problemas. Organiza as ações com base em critérios definidos, como urgência, impacto e esforço, permitindo que os usuários identifiquem quais iniciativas devem ser priorizadas para atingir resultados mais eficientes.

No ambiente corporativo, essa matriz serve para otimizar a tomada de decisão. Diante de múltiplas tarefas e projetos, é comum que as empresas enfrentam desafios em decidir por onde começar. 

A matriz de priorização, ao classificar atividades de acordo com sua importância e viabilidade, proporciona uma visão clara de quais ações podem trazer os maiores benefícios em relação ao esforço ou recurso investido.

No dia a dia, a ferramenta pode ser empregada em reuniões de planejamento, sessões de brainstorming ou em avaliações de projeto, permitindo que as equipes se alinhem e concentrem esforços nas atividades mais críticas.

Quanto à origem da matriz de priorização, não há um único “criador” atribuído ao conceito. A ideia de priorizar tarefas com base em critérios específicos é uma prática antiga e tem sido adaptada e refinada ao longo do tempo para atender às necessidades variadas das organizações modernas.

6. Diagrama de Ishikawa (Espinha de Peixe)

O Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama Espinha de Peixe ou Diagrama de Causa e Efeito, é uma ferramenta visual criada para ajudar equipes a identificar, explorar e visualizar as possíveis causas de um problema específico. 

O diagrama tem a forma de uma espinha de peixe, com a “cabeça” representando o efeito ou problema e as “espinhas” representando as causas ou categorias de causas.

Para as empresas, o Diagrama de Ishikawa torna-se uma excelente aposta no processo de tomada de decisão, especialmente em análises de causa raiz. Ajuda a mapear e compreender as várias variáveis que podem influenciar um problema, facilitando a identificação de soluções mais eficazes.

No dia a dia, as equipes podem utilizar o diagrama em sessões de brainstorming para diagnosticar falhas, melhorar processos ou entender variáveis que impactam um determinado resultado.

O conceito foi introduzido pelo químico japonês Kaoru Ishikawa na década de 1960. O profissional desenvolveu essa abordagem enquanto trabalhava no setor de qualidade, buscando uma forma sistemática de identificar e abordar os fatores que impactam a qualidade do produto. 

Como consequência disso, atualmente o Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta padrão em muitos setores para análise e melhoria contínua.

7. Análise de custo-benefício

A análise de custo-benefício é uma técnica econômica utilizada para avaliar e comparar os custos e os benefícios associados a um projeto ou decisão. 

Seu objetivo é determinar se um investimento é justificável e qual opção, entre várias, apresenta o melhor valor para a organização. Por meio desta análise, as empresas fundamentam suas decisões em dados quantitativos, garantindo que os recursos sejam alocados visando os melhores resultados. 

No contexto corporativo, a análise de custo-benefício desempenha um papel super importante na tomada de decisão, especialmente em projetos de grande envergadura ou em situações que envolvem investimentos significativos. Auxilia a entender se os retornos esperados de uma ação ou projeto superam os custos previstos.

No dia a dia, a técnica é aplicada em situações como avaliação de novos projetos, implementação de tecnologias, contratação de pessoal ou qualquer decisão que envolva um comprometimento financeiro.

A ideia de comparar custos com benefícios é um conceito antigo na economia. Apesar disso, sua aplicação sistemática em projetos e políticas públicas ganhou destaque no século XX, principalmente em projetos de infraestrutura e avaliações governamentais.

8. Análise de Monte Carlo

A Análise de Monte Carlo é uma técnica matemática que permite entender o impacto da incerteza e da variabilidade em modelos de previsão. 

Utilizando a simulação, essa análise oferece uma gama de possíveis resultados e as probabilidades de ocorrência de cada um, fundamentando-se no uso repetitivo de amostragens aleatórias para obter resultados numéricos.

No ambiente corporativo, a Análise de Monte Carlo é uma ferramenta destinada para avaliar riscos, especialmente quando há incertezas nas previsões. 

Empresas podem aplicá-la em diversos cenários, como análise financeira, planejamento de projetos ou otimização de processos, proporcionando uma visão mais abrangente sobre possíveis cenários futuros e auxiliando na tomada de decisões mais informadas.

No dia a dia, pode ser empregada através de softwares especializados que executam milhares (ou até milhões) de simulações, ajudando gestores a entenderem a gama de possíveis resultados de uma decisão e suas respectivas probabilidades.

O conceito foi desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial por cientistas como Stanislaw Ulam e John von Neumann, enquanto trabalhavam no Projeto Manhattan. O nome “Monte Carlo” foi adotado em referência ao famoso cassino de Mônaco, devido ao caráter aleatório e probabilístico da técnica.

9. Mapas Mentais

O Mapa Mental é uma ferramenta gráfica que representa ideias e conceitos de forma visual e estruturada, originando-se de uma ideia central e ramificando-se em sub ideias ou tópicos relacionados. Esta configuração em forma de árvore reflete a maneira como o cérebro humano organiza e processa informações.

Em empresas, o mapa mental serve como uma ferramenta valiosa para brainstorming, planejamento, organização de ideias e, claro, tomada de decisão. Ao visualizar informações de forma estruturada, as equipes terão a oportunidade de identificar relações, hierarquias e padrões, tornando o processo decisório mais claro e fundamentado.

No dia a dia corporativo, mapas mentais são usados para esboçar estratégias de negócios, planejar projetos, organizar apresentações ou até mesmo como uma ferramenta de treinamento. Com a ajuda de softwares específicos, como o próprio Canva, que é gratuito, a criação de mapas mentais tornou-se mais acessível e colaborativa.

O conceito foi popularizado na década de 1970 por Tony Buzan, um psicólogo britânico e autor que argumentava que o mapa mental é uma representação mais natural da forma como as informações são armazenadas e processadas pelo cérebro, em comparação com as anotações lineares tradicionais.  

FAQ | Perguntas e respostas 

Confira, abaixo, o FAQ de perguntas e respostas que separamos para quem está em busca de ferramentas para tomada de decisões em empresas. 

Quais são os tipos de tomada de decisão?

A tomada de decisão é um processo complexo e multifacetado, com vários estilos e abordagens. Os principais tipos incluem:

  • Decisão programada: Refere-se a decisões que são tomadas com base em procedimentos, regras ou diretrizes estabelecidas, geralmente para situações recorrentes.
  • Decisão não programada: Estas são decisões para situações que são novas ou não rotineiras, sem precedentes estabelecidos.
  • Decisões estratégicas: Estas são decisões de alto nível relacionadas à direção da organização a longo prazo.
  • Decisões táticas: Relacionam-se com a forma como as decisões estratégicas serão implementadas, normalmente no médio prazo.
  • Decisões operacionais: São decisões do dia a dia relacionadas à administração das operações da organização.
  • Decisão individual: Tomada por uma única pessoa, geralmente baseada em sua informação, análise e julgamento.
  • Decisão grupal: Tomada por um grupo de indivíduos que colaboram e compartilham perspectivas para chegar a uma conclusão.

Também indicamos que confira nosso artigo de exemplos de tomada de decisão para saber mais. 

Como trabalhar a tomada de decisão?

Para efetivamente trabalhar a tomada de decisão, nossa equipe indica que sua empresa siga um processo estruturado:

  • Identificar e definir o problema: Antes de decidir, entenda claramente o problema.
  • Coletar informações: Reúna todos os dados e informações relevantes para a situação.
  • Avaliar alternativas: Liste e avalie todas as opções possíveis.
  • Escolher uma alternativa: Baseado em critérios estabelecidos, selecione a alternativa mais viável.
  • Implementar a decisão: Execute a decisão e monitore o processo.
  • Avaliar os resultados: Veja se a decisão está gerando os resultados esperados e faça ajustes conforme necessário.

Quais são os pilares da tomada de decisão?

A tomada de decisão é construída sobre vários pilares fundamentais:

  • Informação: Ter acesso a dados precisos e relevantes.
  • Análise crítica: A habilidade de analisar informações, ponderar prós e contras e prever resultados é necessário.
  • Valores e ética: Cada decisão deve estar alinhada com os valores centrais do tomador de decisão e da organização.
  • Feedback: Incorporar feedback contínuo permite ajustes e melhoria contínua no processo decisório.

Quais as principais fontes de limitações na tomada de decisão?

Vários fatores podem limitar os bons resultados da tomada de decisão:

  • Falta de informação: Não ter todos os dados necessários ocasiona, em consequência, a decisões mal informadas.
  • Paralisia da análise: O excesso de análise leva à procrastinação e evitar que decisões sejam tomadas.
  • Viés cognitivo: Predisposições subconscientes ou preconceitos influenciam diretamente a decisão de maneiras não objetivas.
  • Pressão de tempo: Decisões tomadas com pressa podem não considerar todas as variáveis.
  • Fatores emocionais: Emoções como medo, ansiedade ou euforia podem ofuscar o julgamento.
  • Conformidade grupal: A pressão para se conformar com um grupo leva a decisões que não são necessariamente as melhores para a situação.

Ao reconhecer e abordar essas limitações, as organizações conseguirão aprimorar sua capacidade de tomada de decisão e assegurar escolhas que tragam bons frutos. 

E então, conhece mais alguma ferramenta para tomada de decisão?

Veja também:

Cadastre-se gratuitamente na Edu.Kartado e receba os conteúdos em primeira mão!

Não se preocupe, seremos gentis com a sua caixa de entrada! :)

    Nome

    E-mail

    Empresa